Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Corinthians vai gastar R$ 152 milhões para solucionar calote de R$ 35,8 milhões

    A escolha dos clubes de não pagar as taxas na data certa não é uma boa ideia. Para o Corinthians, por exemplo, a decisão de atrasar o acerto do seu imposto de renda, que transformou em réus da Justiça o ex-presidente Andrés Sanchez e mais três dirigentes do clube, vai custar muito caro aos cofres do Parque São Jorge.

    O valor original do tributo era de R$ 35,8 milhões. E, depois da multa e juros aplicados pela Receita Federal, e mais o acordo feito para pagar a dívida, essa valor vai saltar para R$ 188,1 milhões. Ou seja: o calote no tempo devido de pagamento vai custar R$ 152,3 milhões ao departamento financeiro, dinheiro suficiente para comprar quase todo elenco atual do clube.

    Pelo acordo que fez com a Receita, o Corinthians começou a pagar a dívida no final do ano passado, e vai estender o pagamento até o final de 2028. Serão praticamente 15 anos de prestação, o que dá, na média, R$ 10 milhões por ano de "gastos extras".

    A diferença entre o valor original do imposto e o dinheiro que o alvinegro vai gastar aumentou por três motivos. O primeiro foi a multa aplicada pela Receita: R$ 26,9 milhões. Depois os juros do montante original até a confecção do acordo: mais R$ 30,5 milhões.

    O resto, quase R$ 94 milhões, são os juros do próprio acordo, que ainda irão fazer o Corinthians ficar atento ao que acontece no Brasil.

    Em situaçõs como a atual, com a inflação em alta, a situação do clube piora. Isso por causa do indexador dos juros da dívida corintiana, a Selic. É a taxa de juros básica definida pelo Banco Central. Se ela aumentar, o montante devido pelo Corinthians também pode crescer.

    Justificativa

    Os dirigentes de clubes que atrasam/atrasaram o pagamento de impostos para os cofres públicos costumam justificar a postura pela situação financeira. Em entrevista ao Bate Bola, na noite desta quinta-feira, Andrés Sanchez disse que teve de fazer uma escolha: pagar impostos ou pagar o salário dos jogadores.

    "Ou se paga salário, acordo trabalhista, ou... E infelizmente não conseguimos pagar todos os impostos", disse o dirigente.

    De acordo com o ex-presidente, o caixa de um clube não consegue sustentar um time competitivo e ao mesmo tempo pagar impostos em dia.

    "Quando fui presidente eu tive de fazer opções. Fiz opções que, para mim, foram corretas. Eu acertei todos os salários do clube. Acertei tudo. O clube fez um acordo sobre o imposto e está pagando há dez meses", completou.

    180 Graus

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad