Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Dunga: 'O Brasil não tem mais craques'

    Dunga, o técnico da Seleção Brasileira pós 7 a 1, tem vivido, na frente da televisão, momentos agradavelmente prosaicos. “É desenho animado o tempo todo”, diz. Tudo por causa de seu caçula, Matheus, de 7 anos. “É pergunta atrás de pergunta, e ainda me atrapalho um pouco com esse monte de bichos novos”, diz. Nesta próxima terça-feira, os “bichos novos” serão os 23 novos jogadores que ele convocará para a Seleção. Nenhum é craque, em sua opinião, mas ele conta com o espírito de equipe para vencer – é o que considera mais importante no futebol. Na segunda-feira passada, no dia seguinte àquele em que viu seu time, o Internacional, derrotar o Grêmio de Luiz Felipe Scolari, Dunga recebeu a reportagem de ÉPOCA. Falando em puro “gauchês” – idioma em que o pronome vem na segunda pessoa e o verbo na terceira –, ele falou de seus critérios para escolher os jogadores, relembrou o período em que foi comentarista da TV Al Jazeera, no Catar, e esmiuçou a derrota histórica da Seleção Brasileira para a Alemanha, no Mineirão. Ao analisar o time alemão, aproveitou para recitar sua profissão de fé: “Um craque sozinho não ganha uma Copa do Mundo, mas uma equipe ganha”.

    ÉPOCA – O senhor já definiu craque como “aquele que joga nove partidas bem e uma mal”. Nós temos esses craques?
    Dunga – Isso não somos nós que temos de comprovar, são eles. Mas é uma constatação. Vamos ver. O Pelé, de dez partidas, resolvia seis, sete. O Garrincha resolvia seis, sete. E assim a gente vem seguindo os craques. Lógico, quanto mais passa o tempo, fica mais difícil, os espaços são mais reduzidos, a marcação é mais apertada, o adversário põe dois jogadores em cima... Mas hoje, no futebol moderno, o cara, para ser diferenciado, tem de decidir, em dez partidas, pelo menos cinco, seis, tem de ser acima da média.

    ÉPOCA – Nem o Neymar tem essa média.
    Dunga – Mas, se tiver uma equipe sólida, ele pode fazer isso. Temos essa questão de que o cara faz um gol e já é craque. Temos tanto essa necessidade, que o cara de 15 anos, deu um drible, já é craque. O jogador novo, ele oscila. Até ele ter uma afirmação emocional, psicológica, física, técnica, ele vai oscilar. Só que a gente já põe uma responsabilidade no menino, com 16, 17 anos – “é craque, é craque, é craque” –, aí começa a pressão. Dali a dois anos, mesmo ele tendo 19 anos, não o consideramos mais jovem. E aí começam as críticas. Aí ele fala: “Com 17, eu era um craque, hoje com 19 só me dão pancada...”. Então o emocional, a autoestima, aquela confiança que ele tinha, de dar o drible, de fazer aquela jogada, já começa a se resguardar um pouco mais.

    (Foto: Ruben Sprich/Reuters)

    ÉPOCA – Sem meias palavras, Neymar é craque ou não é?
    Dunga – Ele é o melhor jogador brasileiro. Para ter carimbo de craque, tem de ter o carimbo de campeão do mundo nas costas. Mas vamos trabalhar, na Seleção, para ele jogar acima da média que define um craque.

    ÉPOCA – Que tipo de erros o senhor não pode cometer nesta convocação da terça-feira, dia 19 – considerando que não terá nenhum craque?
    Dunga – A maior preocupação é que os caras estão entrando em pré-temporada agora. Tem de ver quem entra em forma mais rápido. Será importante ouvir a opinião do preparador físico do clube onde ele está. Tem de acompanhar quantos jogos ele já fez até aquela data para poder tomar uma decisão.

    ÉPOCA – Qual será seu critério na convocação?
    Dunga – Vou botar uma mescla entre jovens e veteranos, buscar sangue novo, aguçar a competitividade entre eles, não deixar ninguém pensar que é o dono, ninguém se acomodar. Tudo isso.

    ÉPOCA – A média de idade na sua Seleção de 2010 era de 29 anos e 3 meses, com três jogadores acima dos 30. É algum parâmetro para esta convocação de agora?
    Dunga – Depende do momento. Se fosse por idade, eu pegava só caras de 20. Mas não é. É competição, tem de ver o momento. Cada um terá sua oportunidade e precisa demonstrar sua capacidade de ficar ou não, independentemente da idade.

    ÉPOCA – Por esse critério, o senhor diz que foi um erro Felipão não ter levado mais jogadores mais velhos, que talvez pudessem fazer alguma diferença no jogo contra a Alemanha.
    Dunga – Não se pode afirmar isso. Eles estavam na outra seleção, que tinha uma idade superior, e também não funcionou. Depende muito do momento. O melhor é mesmo mesclar.

    ÉPOCA – Quem terá a palavra final sobre a convocação: o senhor, o coordenador técnico, Gilmar Rinaldi, o presidente da CBF, José Maria Marin, ou o presidente eleito da CBF, Marco Polo Del Nero?
    Dunga – A palavra final é da comissão técnica, é do treinador.

    ÉPOCA – É sua?
    Dunga – É do treinador. Só que tem de reunir a todos, ouvir a opinião, aí colocar os argumentos. Tem de ouvir o preparador de goleiros, o médico. Às vezes, o médico diz que tal cara não suporta a dor. Tem de levar em consideração. Tudo isso tem de ver.

    ÉPOCA – Falando de Copa do Mundo, como o senhor viu a fraca atuação de Lionel Messi na final contra a Alemanha?
    Dunga – Naquele jogo, ele foi mal. Mas, se pegar a média geral, ele praticamente levou a Argentina até as finais. A Alemanha tinha uma equipe, não só uma seleção. Então, ela bloqueou Messi. É como se fosse 11 contra um. Aí a equipe, o time, superou o craque. Sei que isso dará polêmica, mas é o que eu acho: um craque sozinho não ganha uma Copa do Mundo. Mas uma equipe ganha. Estão aí a Alemanha e a Espanha, e assim por diante. Agora, logicamente, é claro que, se tiver craque, fica melhor, facilita muito.

    ÉPOCA – Fazendo a comparação com o nosso caso, Neymar se machucou e foi o que se viu, os 7 a 1..., qual é sua opinião?
    Dunga – É que também tinha um time do outro lado, que estava encaixado, com a autoestima lá cima, muito concentrado naquilo que teria de fazer, muito atento. É difícil falar, porque tu não esteve (sic) lá dentro para ver, mas é mais ou menos como um boxeador: o Brasil levou o primeiro golpe, e a Alemanha não deixou o Brasil respirar. Foi para cima e, quando se viu, o Brasil estava nocauteado. Não deram tempo de o Brasil dar os três segundos, o juiz contar até dez... Não. Levou o primeiro no queixo, tonteou e a Alemanha...

    ÉPOCA – Qual foi seu comentário, na emissora árabe, depois do primeiro gol da Alemanha?
    Dunga – Que foi uma jogada esporádica. Daqui a pouco, o Brasil vai virar, vai reagir. Mas a Alemanha não deixou. Depois do segundo, do terceiro, fiquei procurando uma explicação.

    ÉPOCA – O técnico não tinha de ter tomado uma providência entre o segundo e o terceiro gol, ou entre o terceiro e o quarto? Já não era evidente que Bernard não dava certo?
    Dunga – É muito mais complexo. Tu faz (sic) um planejamento e tem de analisar. Será que o problema foi o baixinho lá na frente? Tem de analisar por que saiu cada gol, o posicionamento de cada jogador, se cada um estava na sua função...

    ÉPOCA – No caso de um bombardeio como aquele – um gol atrás do outro, os primeiros cinco ainda no primeiro tempo –, não é o caso de qualquer técnico tomar uma providência, fazer alguma coisa?
    Dunga – Sem dúvida nenhuma. Mas mudar por mudar? Eles também estavam surpreendidos com aquela situação e esperavam mudar. Só que o Brasil não conseguia marcar e não conseguia jogar. Não foi um jogador, foi o time, foi a Seleção. Teria de mudar os 11. Como não pode mudar os 11, foi aquilo.

    ÉPOCA – Já imaginou que os 7 a 1 poderiam ter acontecido com o senhor?
    Dunga – Nem quero imaginar, senão os caras me matam. Empatei em 0 x 0 com a Argentina, com um a menos, em Belo Horizonte, e o estádio todo vaiou, imagina 7 a 1. Ninguém imagina, e ninguém quer imaginar. Porque é duro, ainda mais se tratando de Seleção.

    (Foto: Ricardo Nogueira/Epoca)

    ÉPOCA – Se o senhor estivesse ao lado de Felipão como auxiliar técnico, o que diria para ele vendo a Alemanha fazer os gols?
    Dunga – Seria muito leviano falar que diria isso ou aquilo. Porque, em 1998, aconteceram coisas diferentes, surpresas, e ninguém falou nada. Depois do acontecido, muitas pessoas falam: “Tinha de tirar fulano ou beltrano”. Na hora, ninguém falou nada. De fora, é muito fácil. Quero saber na hora. Na nossa vida, a gente também teve esse momento de acontecer alguma coisa e tu não ter (sic) reação.

    ÉPOCA – O curioso na sua inesperada indicação para técnico do Brasil é que nenhum especialista em futebol cogitou seu nome.
    Dunga – Um escreve uma coisa, outro escreve outra, e não param para pensar.

    ÉPOCA – No seu caso, mesmo que parassem para pensar, ninguém mataria essa charada. Concorda?
    Dunga – Tudo tem 1%. Porque tu tinha (sic) de analisar o trabalho de todos os treinadores que passaram pela Seleção, nos clubes, resultados pró e contra, para tomar uma decisão, entendeu? A gente é emocional no nosso trabalho: um falou, todo mundo segue a cartilha. Mas não falo contra a imprensa. Serve também para mim como treinador. Se está todo mundo falando do João – João, João, João, João, João –, deixa eu ver os jogos do João, onde ele joga, o que ele fez, ele defende, ele ataca, ele dribla? Como é que esses caras falam tanto do João?

    ÉPOCA – Parece que o João, nesse clima de convocação próxima, é o Elias, volante do Corinthians.
    Dunga – Não, não, não.

    ÉPOCA – No jogo contra o Santos, domingo passado, muitos comentaristas falaram do nome dele como uma boa possibilidade.
    Dunga – Mas isso é de jogo para jogo.

    ÉPOCA – Mas Elias tem uma torcida animadíssima...
    Dunga – O futebol tem uma coisa interessante. Todo mundo diz quem tem de entrar. Ninguém diz quem tem de sair. Assim, tu tem (sic) de levar uns 40.

    ÉPOCA – Entre os críticos contundentes de sua indicação, está o comentarista Tostão, ex-craque da Seleção Brasileira. “Por que Dunga?”, ele se perguntou. E não conseguiu responder. Por que Dunga, afinal?
    Dunga – Todas as críticas feitas a mim não foram pela questão técnica, foram pelo relacionamento com a imprensa. Meu trabalho é dentro do campo – e o complemento é com a imprensa? Ou meu relacionamento com a imprensa é mais importante que o conteúdo técnico? Tem de ver os meus resultados na Seleção Brasileira. Se isso não responde, é porque aí tu vai (sic) divagar, “não tinha um craque, não tinha isso”. Se não tinha um craque, e tive os resultados que tive, então sou melhor do que penso. Quatro anos que tive na Seleção Brasileira, sem experiência? Poucos duraram quatro anos. Poucos, com grande experiência. É só analisarmos os resultados...

    ÉPOCA – E a derrota para a Holanda, que nos tirou das finais de 2010?
    Dunga – Se analisar ponto por ponto, teve gol do Robinho anulado, que era válido, pênalti no Kaká, cartão amarelo logo no início, truncou o jogo. Tudo bem. Faz parte. Veja o que diziam nos primeiros 45 minutos contra a Holanda e o que diziam depois. Mas isso não é para se preocupar, porque o Zagallo ganhou tudo o que ganhou e sempre foi criticado.

    ÉPOCA – Outra reação fortemente contrária a sua indicação veio da respeitada economista Elena Laudau, botafoguense. Entre outras coisas, ela disse que sua escolha, e do Gilmar, foi um “deboche”.
    Dunga – Como é que uma economista, que não participa do futebol, pode escrever isso? Se ela não conhece o futebol, não vive o dia a dia. Será que ela fez isso para ter uma notoriedade que, dentro da economia, ela não teve – não em termos de resultado, mas de imagem perante o público?

    ÉPOCA – Como o senhor viu a volta de Felipão ao futebol – como técnico do Grêmio na semana passada e perdendo na estreia para seu time, o Internacional, por 2 a 1?
    Dunga – Ele tem um relacionamento antigo de amizade com o presidente do Grêmio (Fábio Koff). Mas a gente tem de pontuar uma coisa: ele é campeão mundial. Campeão mundial. Ponto. Por que temos essa mania: “Ah, o cara está ultrapassado...”. Não. O cara é campeão mundial. E levou o Brasil às quartas de final. Falamos no Brasil que não temos ídolos. E não teremos porque nós só apontamos os defeitos dos ídolos. Temos de pontuar que o cara é vencedor. Foi bom ele ter voltado. É um cara competente e íntegro. A gente não pode achar que é um bandido porque perdeu. Ele fez o trabalho dele. Se deu certo ou deu errado, é outra coisa. Mostrou que tem coragem, tem competência e voltou.

    ÉPOCA – Ainda bem que o Inter não ganhou de 7 a 1...
    Dunga – Isso é maldade. Não vai mais acontecer.

    Época

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad