Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Velório de Campos mistura emoção e propaganda; primeiro ato político da campanha de Marina; veja


    Ao receber o caixão do pai com camisas estampadas com a frase "Não vamos desistir do Brasil", que também estava afixada ao caminhão do corpo de bombeiros que transportou o féretro, os filhos de Eduardo Campos contribuíram para que o velório se transformasse num ato político, o primeiro da campanha de Marina Silva à presidência da República; do lado de fora do Palácio das Princesas, militantes gritavam "Justiça", como se Campos tivesse sido assassinado; a frase "Não vamos desistir do Brasil", dita pelo ex-governador pernambucano no Jornal Nacional, vem sendo tratada como testamento de Campos e será usada exaustivamente na propaganda eleitoral do PSB para tentar reduzir o voto nulo

    O velório de Eduardo Campos, iniciado ontem à noite, quando os restos mortais do ex-governador de Pernambuco chegaram ao Recife, foi também um ato político, o primeiro da campanha de Marina Silva à presidência da República.

    No caminhão do corpo de bombeiros, estava colada a frase "Não vamos desistir do Brasil", a última dita por Eduardo Campos, no Jornal Nacional, na véspera de sua morte.

    Ao receber o caixão do pai, os filhos de Eduardo Campos também usavam uma camisa amarela, estampada com os mesmos dizeres. Estavam de luto, mas vestiam algo que transmitia uma mensagem política.

    A frase "Não vamos desistir do Brasil" vem sendo tratada por integrantes do PSB e colunistas da mídia como o "testamento político" de Eduardo Campos. Visa atingir uma grande parcela do eleitorado, que hoje parece mais propensa a anular o voto. A esperança, entre os integrantes do PSB que apoiam a candidatura de Marina Silva, é que a ex-senadora consiga fisgar esses eleitores desencantados com a política tradicional.

    Do lado de fora do Palácio das Princesas, que recebeu o caixão de Eduardo Campos, militantes gritavam "Justiça" e outras palavras de ordem, como se Eduardo Campos tivesse sido assassinado - e não vítima de um trágico acidente. Na transmissão, o maior foco se dava em Marina Silva, herdeira do espólio político de Campos.

    Brasil 247

    2 comentários:

    1. Acho uma tremenda falta de respeito, deveriam pelo menos velar e enterrar o ex-Governador, para só depois pensarem em atos políticos. Havia entre Campos e Aécio um acordo de forçar o 2º turno e quem conseguisse passar seria apoiado pelo outro, a intenção era derrubar a quadrilha do poder. Agora com Marina, que declaradamente não simpatiza com tucanos fica a lacuna, quem vai apoiar se o resultado for o mesmo, se for ao 2º turno será com votos de petistas descontentes, caso vá com Aécio será que vai se aliar ao PT?
      Amanhã começam a aparecer as surpresas, a 1ª é que a viúva de Campos será vice de Marina, muita agua vai rolar nesses poucos dias que faltam para as eleições.
      Abraço!

      ResponderExcluir
    2. é triste essa apropriação política de um fato trágico, mas nada incomum no mundo político infelizmente. Que os próprios filhos o façam, como pude testemunhar in loco, choca-me ainda mais.

      ResponderExcluir

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad