Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Agropecuária e serviço puxam alta do PIB no Ceará

    Diferentemente do que ocorre no Brasil, a economia cearense se expande e deixa o governo estadual otimista, prevendo um crescimento de 4% para este ano.
    A estimativa é de técnicos do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), que apresentaram ontem os indicadores do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2014. O Estado já está com a taxa anual do PIB acumulada em 3,49%. Segundo o levantamento do Ipece, a atividade econômica do Ceará registrou alta de 3,04% de abril a junho, na comparação com igual período do ano passado, e superou a média nacional pelo 17º trimestre consecutivo. Mesmo assim, esse incremento foi inferior ao verificado de maio a junho de 2013, frente ao se segundo trimestre de 2012, em que a taxa registrada pelo Ipece foi de 3,95%.

    Setores

    O avanço no segundo trimestre de 2014 se deve ao bom desempenho da agropecuária e dos serviços, que tiveram alta de 52,6% e 3%, respectivamente. Por outro lado, seguindo uma tendência nacional, a indústria cearense apresentou queda de 4,20%. A indústria de transformação e a construção civil, que cresceram 0,8% e 3,43% no primeiro trimestre deste ano, respectivamente, agora caíram 5,04 e 5,47%. A atividade econômica da extrativa mineral, que recuou 19,87% de janeiro a março deste ano, seguiu em baixa de maio a junho, com redução de 18,77%. Apenas a área de eletricidade, gás e água obteve alta de 1,10%

    Contribuição

    Apesar da seca pelo terceiro ano consecutivo, segundo o Ipece, as chuvas que caíram durante os três primeiros meses de 2014 foram suficientes para aumentar a produção de grãos no Estado, com destaque para o arroz, o feijão e o milho. Quanto à produção de frutas, as estimativas para o segundo trimestre apresentaram pequenas variações. Isso porque é uma atividade menos dependente das chuvas devido à irrigação e concentra as colheitas no segundo semestre.

    Serviços

    Todos os segmentos que integram o setor de serviços, que hoje é responsável por 73% do PIB cearense, fecharam o segundo trimestre com alta. Comércio (5,24%) e alojamento e alimentação (9,43%) puxaram o crescimento, seguidos dos transportes (1,92%), intermediação financeira (3,49%), administração pública (1,36) e outros serviços (2,75%). O desempenho do setor de abril a junho (3%), porém, foi menor que o verificado no primeiro trimestre (4%).

    Conforme analisa o diretor geral do Ipece, Flávio Ataliba, a Copa do Mundo privilegiou os serviços e atrapalhou a indústria, que já sofre com a falta de competitividade e produziu menos no segundo trimestre. Ele acredita que, até o fim deste ano, o setor vai se recuperar. Mesmo com a desaceleração econômica na indústria, Ataliba destaca o desempenho do Ceará frente à média do Brasil, que vem sendo melhor desde 2008. Para ele, o incremento no PIB cearense está diretamente ligado à evolução dos investimentos públicos nos últimos anos. "De 2017 a 2013, o governo aplicou R$ 16,8 bilhões, deixando o Ceará na quarta posição entre os estados com o maior volume de investimentos, atrás apenas de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro".

    Fonte: Diário do Nordeste

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad