Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Marina Silva atropela Dilma Rousseff durante debate; entenda

    Reinaldo, qual é o saldo do debate desta segunda entre os candidatos à presidente, promovido pela Jovem Pan, Folha, UOL e SBT?

    Uma Marina Silva que se consolidou como alternativa aos olhos do eleitorado e que cresceu, como presidenciável, atropelando Dilma Rousseff, que teve, de muito longe, o pior desempenho entre os três principais candidatos. O tucano Aécio Neves se saiu muito bem. Respondeu, como de hábito, com clareza e desenvoltura. Demonstrou conhecimento de causa e segurança. Mas, como afirmei ontem no Programa "Os Pingos nos Is", as circunstâncias não o transformaram em um dos polos do debate, que caminhou para o confronto entre Marina, ora no PSB, e Dilma, do PT. A candidata à reeleição perdeu feio o embate. Os petistas estão completamente desorientados.

    Como nunca, o PT tem sido vítima de sua natureza. Se não conseguir sair da encalacrada em que está, perdeu a eleição. Os petistas só sabem fazer campanha presidencial contra, nunca a favor. A de 1989 se organizou na oposição a José Sarney e Fenando Collor, hoje seus queridos aliados. Em 1994, passa a ser vítima da ideia fixa: atacar os tucanos. Perdeu dois pleitos consecutivos no primeiro turno no ataque ao Plano Real, às privatizações e à Lei de Responsabilidade Fiscal. Em 2002, mudou de rumo: passou a falar uma linguagem propositiva e se tornou monopolista da esperança e da mudança ― um discurso que hoje, tudo bem pensado, serve a Marina Silva.


    Muito bem. Eleito presidente, Lula resolveu governar com os marcos macroeconômicos herdados do PSDB ― não adianta disfarçar ―, mas deu início à demonização do adversário. Com impressionante vigarice, o PT se portava como "oposição", embora fosse governo, embora fosse situação, embora estivesse no controle do estado. Exercitou, no limite do possível, o discurso do ressentimento, do ódio e da perseguição aos adversários. Queria, em suma, ser o senhor ― e era ―, mas com o poder das vítimas.


    Enquanto as circunstâncias econômicas foram favoráveis à construção dessa farsa, surfou na onda. Acreditem: os petistas já não contavam mais ― e não contam ainda ― com a possibilidade de deixar o poder. Há pouco mais de um ano e meio, falavam abertamente na reeleição de Dilma no primeiro turno e depois em mais oito anos de Lula. Tudo assim, com desassombro, sem combinar antes com a história e com o imponderável.


    Para isso, no entanto, sempre dependeu de um inimigo de estimação: o PSDB. O partido era sua antivitrine, seu exemplo de elite pernóstica e insensível aos reclamos do povo. Os braços de aluguel do partido na subimprensa e na imprensa ainda insistem nessa cascata. Mas eis que surge uma Marina no meio do caminho, oriunda justamente do ninho petista. Também sabe fazer o discurso dos "Silva"; também sabe desempenhar o papel da "vítima triunfante"; também é especialista na "demonização do outro", embora tenha uma fala menos rascante do que a de Lula, embora se expresse com mais fluência ― o que não quer dizer clareza ―, embora pareça a pura expressão da mansidão.


    E eis que vemos um PT sem resposta, a dar tiros no próprio pé. No debate desta segunda, Dilma tentou encurralar Marina, mas perdeu todas. Mesmo quando atacava, estava na defensiva. A petista só se esmerou no jogo bruto, beirando a grosseria, contra Aécio.


    Depois do debate, Dilma se reuniu com seu núcleo duro de campanha ― incluindo o marqueteiro João Santana e o ministro Aloizio Mercadante ― e com Lula. Foi, certamente, uma reunião para lamber as feridas do dia. Marina foi a vencedora da noite, e Dilma, a grande derrotada. Os petistas vivem o dilema expresso pelo asno de Buridan, aquele que pode morrer de fome e de sede, incapaz de decidir entre a água e a alfafa. Se bate em Marina, teme se esborrachar com a rejeição do eleitorado, que vê na ex-senadora a magricela pobrezinha do seringal, que se esforçou e se tornou uma figura mundialmente conhecida. Se não bate, a magriça se agiganta e engole a máquina petista nem que seja com um trocadilho, no que ela é boa. Nesta segunda, mandou ver em mais um: "Não sou nem pessimista nem otimista, sou persistente". O que quer dizer? Nada. Enquanto isso, Dilma, coitada, se enrolava em números e siglas, com a cara feia, visivelmente contrariada.


    Pela primeira vez, desde 2002, as circunstâncias atuam contra a ideia fixa do PT. E o partido não sabe o que fazer. Desta vez, nem o Santo Lula pode ajudar. Encontrou uma Silva que sabe ser ainda mais coitadinha e mais orgulhosa do que ele próprio. Como colar nela a pecha de candidata da Dona Zelite, né, Lula?

    Fonte: Jovem Pan

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad