Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Obra parada aumenta atraso na Transnordestina em 4 anos

    No Estado do Ceará, apenas 4% já foram feitos no percurso da região do Cariri ao Porto do Pecém
    Com prazo de entrega vencido há 4 anos, e investimentos da ordem de R$ 7,5 bilhões, as obras da Ferrovia Transnordestina continuam paralisadas no trecho relativo aos 527km que ligam este município ao Porto do Pecém, na Região Metropolitana de Fortaleza. No Ceará, a obra foi iniciada em 2010, durante a gestão do ex-presidente Luís Inácio Lula, mesmo ano em que, segundo cronograma estabelecido pelo governo federal, o equipamento deveria ter sido entregue para pleno funcionamento, interligando 83 municípios nos Estados do Piauí, Ceará e Pernambuco.

    Com custo estimado inicialmente em R$ 1,6 bilhão, as obras relativas ao trecho MissãoVelha/Pecém já consumiram R$ 145 milhões dentro de um percentual de apenas 4% de trabalho já pronto neste percurso. Os valores iniciais, no entanto, não serão mais suficientes para que a obra seja concluída neste trecho, aumentando o valor do custo do projeto para cerca de R$ 2,1 bilhões. Do valor total dos recursos que custearão as obras no Ceará, cerca de 7% já foram disponibilizados.

    Diversas paralisações já comprometeram os trabalhos. Nos anos de 2011 e 2012, operários entraram em greve reivindicando aumentos salariais. A construtora, à época, rescindiu de forma unilateral todos os contratos de trabalho alegando não dispor de recursos financeiros para conceder o reajuste reivindicado pelos trabalhadores. No ano passado, a obra foi parada em meados de outubro por conta da decisão da empresa Odebrecht em romper o contrato com a concessionária Transnordestina Logística S/A, responsável pela ferrovia.

    A demora na conclusão das obras ocasionou a fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU) que, em parecer, informou não terem sido detectadas irregularidades. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), por sua vez, estuda a possibilidade de aplicar multa no valor de R$ 1,164 milhão a Transnordestina Logística, devido ao atraso no cronograma das obras. A ANTT também questiona balanço oficial do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC), onde é informada a conclusão do trecho entre a cidade pernambucana de Salgueiro e o município de Missão Velha, no Cariri cearense. Neste trecho foram contabilizados gastos na ordem de R$ 797,45 milhões.

    No percurso da obra em Missão Velha não há sequer maquinários paralisados. Operários não são vistos desde o ano passado nos canteiros onde o ritmo de trabalho deveria estar em andamento. "O atraso em relação à conclusão da obra no trecho que atravessa o município de Missão Velha já acarreta certo prejuízo ao nosso setor econômico", avalia o secretário do Desenvolvimento Econômico do município, Josenilton Macedo.

    Segundo avalia, caso a obra já estivesse concluída e os trens de carga estivessem percorrendo o trecho entre o Porto de Suape (PE) e Pecém (CE), de cerca de 1.200km, haveria mais facilidade na instalação de empresas no Distrito Industrial em construção no município.

    "Não há dúvida que a atração de empresas seria muito mais fácil de acontecer. A geração de emprego e a distribuição de renda se dariam em proporções significativas gerando, a partir daí, uma nova situação econômica no município", observou.

    Prejuízos

    O presidente do Sindicato das Indústrias de Calçados e Vestuários de Juazeiro do Norte e Região (Sindindústria), Antônio Barbosa Mendonça, também avalia como prejudicial ao Cariri a paralisação nas obras. Embora admita que ainda não haja planejamento logístico com o objetivo de propiciar beneficiar as indústrias do setor no escoamento da produção, com o transporte ferroviário, ele também aponta que empresas especializadas em outros segmentos já poderiam ter se instalado em municípios da região, caso a obra já tivesse sido concluída.

    "Não houve, ainda, nenhuma discussão mais ampla em relação a como as empresas do setor têxtil e de calçados se beneficiarão com a Transnordestina. No entanto, é evidente que o custo do deslocamento da produção através do transporte ferroviário é amplamente mais barato quando comparado ao terrestre. É preciso destacar, ainda, que essa obra, caso estivesse pronta, já teria se constituído em fator relevante na atração de novas empresas à região do Cariri. Há, portanto, uma perda significativa à economia de muitos municípios da região, com o atraso na conclusão deste projeto", ressaltou o empresário.

    Em nota, a Assessoria de Comunicação da Transnordestina Logística S/A informou que, no momento, há obras em andamento em Pernambuco e Piauí, envolvendo cerca de 3 mil trabalhadores. Conforme a Assessoria, atualmente já estão concluídas 41% das obras da ferrovia. A nota não faz referência, no entanto, aos motivos da paralisação no trecho cearense, tão pouco, faz menção ao nome da empresa que substituiu a Odebrecht na conclusão dos serviços.

    Fonte: Diário do Nordeste

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad