Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Sequestrado pelo Estado Islâmico, jornalista identifica autor de atentado como o seu raptor

    O jornalista francês Nicolas Hénin, que foi sequestrado pelo Estado Islâmico, em 2013, reconheceu Medhi Nemmouche, o autor do ataque no Museu Judaico de Bruxelas, em maio de 2014, como um dos membros do grupo que o raptou.

    «Após a detenção de Medhi Nemmouche, pelos atos que lhe são imputados em Bruxelas, fui confrontado com um certo número de documentos audiovisuais, que me permitiram reconhecê-lo formalmente», declarou o jornalista do «Le Point», em conferência de imprensa.

    Nemmouche foi detido em França no final de Maio e extraditado para a Bélgica, depois de ter sido identificado como o autor do atentado à porta do museu belga que provocou a morte de quatro pessoas.

    Agora, Nicolas Hénin revelou que Nemmouche fazia parte de um grupo que torturava prisioneiros na Síria.


    «Medhi Nemmouche maltratou-me. Ouvia quando ele torturava prisioneiros sírios no mesmo estabelecimento onde nós nos encontrávamos», afirmou o jornalista.

    Nicolas Hénin esteve sequestrado na Síria entre junho de 2013 e abril de 2014, juntamente com outros jornalistas franceses. Durante algum tempo, esteve detido com James Foley e Steven Sotloff, os jornalistas norte-americanos decapitados pelos jihadistas.

    Quando foi divulgado o vídeo da morte de Foley, Hénin contou, em declarações à Associated Press, que Foley tinha sido mais maltratado pelos raptores devido à sua nacionalidade e ao facto de o seu irmão pertencer à Força Aérea norte-americana.

    Texto escrito originalmente em Português de Portugal.


    TVi 24

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad