Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Por que evitar o teste do Facebook que muda foto para gênero oposto


    Você já deve ter visto - ou feito - o teste do Facebook que mostra como seu rosto seria se fosse do sexo oposto. O aplicativo -- desenvolvido pela startup russa FaceApp e compartilhado por sites como Kueez e Viralemon -- pede que os usuários façam login com a conta do Facebook para transformar a foto do perfil: ele usa um algoritmo para fazer mudanças no rosto, como corte de cabelo e traços, entre outros detalhes. Pode parecer uma brincadeira inocente, mas ela está sendo usada pela empresa por trás do app para obter dados pessoais dos usuários da rede social.

    Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, o aplicativo russo, chamado FaceApp, coleta muitos outros dados além da foto do perfil: entre eles estão o e-mail, lista de amigos e outras fotos. Além disso, as informações sobre os sites de internet que você visita também são coletadas e analisadas pela empresa.

    A política de privacidade do FaceApp, porém, não detalha de que forma esses dados são usados pela empresa e com quais outras empresas são compartilhados. "Podemos compartilhar suas informações com empresas do mesmo grupo do FaceApp e também com empresas que nos ajudam a prestar o serviço, além de parceiros de publicidade", afirma a FaceApp, em sua política de privacidade, sem especificar o nome das empresas com quem os dados são compartilhados.

    E agora?
    Quem já participou da brincadeira e se arrependeu é possível excluir todas as permissões concedidas ao aplicativo pelas "Configurações de aplicativos" do Facebook. Mas isso não garante que a empresa já tenha armazenado suas informações em um bando de dados.

    Frequência
    é a primeira vez que um aplicativo semelhante circula na rede social. No ano passado, uma outra versão virou febre depois de permitir aos usuários testarem como seria sua aparência quando criança ou sorrindo.

    O aumento da frequência desse tipo de jogos cria um alerta para proteção de dados pessoais. "As pessoas precisam ter consciência que a maioria desses jogos serve, principalmente, para coletar dados muito valiosos. Em paralelo, é preciso pressionar para que essas companhias deixem seus termos de uso e privacidade mais simples e informativos. Assim, o usuário poderia controlar seus próprios dados e excluí-los se assim quiser", diz Magrani.

    Em nota, o Facebook disse que existem regras para os aplicativos serem usados na plataforma, entre elas normas sobre o uso de dados dos usuários.


    Fonte: Agência Estado

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad