Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Lula e o poste: a história que vai definir a eleição de 2018





    A esquerda falastrona de Ciro Gomes (PDT), o centrão fisiológico de Geraldo Alckmin (PSDB) e a direitona dispersa de Jair Bolsonaro (PSL) dependem da definição de uma variável para saber até onde conseguem chegar nas eleições de 2018: o poder de transferência de votos de Lula. Enquanto o mundo político batalha por segundos de horário eleitoral durante a mórbida temporada de convenções partidárias, o PT age silenciosamente e se concentra em azeitar a fábrica de postes do ex-presidente
    Números comprovam que a ingenuidade número um da campanha é acreditar que ela não vai funcionar (ou melhor, que já está funcionando) a pleno vapor.
    Há semanas, a XP Investimentos, por meio de pesquisas telefônicas do Instituto de Pesquisas Sociais (Ipespe), vêm medindo de maneira simples e direta o real poder de fogo do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, como plano B do PT. As pesquisas apresentam cenários de primeiro turno com Lula, sem candidatos do PT, Haddad e, o pulo do gato, Haddad “apoiado por Lula”.
    Na última delas*, divulgada dia 26, Lula lidera com 30% no cenário em que é citado. Haddad tem apenas 2%. Mas pula para 12% apenas com a menção “apoiado por Lula”.
    Apesar de ter sido prefeito de São Paulo, Haddad é um ilustre desconhecido do grande eleitorado brasileiro. Se ele sextuplica as intenções de voto só pelo fato de a voz ao telefone mencionar as palavras “indicado por Lula”, é sinal de que a mágica da transferência continua funcionando.
    O maior desafio do PT é garantir que o máximo possível de “luz” dos 30% dos votos de Lula cheguem ao poste escolhido. Três objetivos interligados entre si são fundamentais para elevar a taxa de sucesso dessa transferência:
    1) Vender pelo maior tempo possível a ideia de que Lula será candidato (e ignorar o fato de que ele está inelegível pela Lei da Ficha Limpa);
    2) Ampliar a indignação do eleitor lulista e transformá-la em engajamento;
    3) Apresentar o poste como uma solução irremediável.
    Repare que essas três metas, relacionadas ao como e quando da estratégia, são muito mais importantes do que o quem. Pelo que mostra a pesquisa encomendada pela XP, a verdade é que tanto faz quem será ungido. Mas até nisso o plano está bem bolado.
    Haddad é, dadas as circunstâncias, o poste perfeito. Já foi um poste (só chegou à prefeitura em 2012 pelas mãos de Lula), logo, sabe quase tudo o que cola e o que não cola no jogo da transferência de votos. É um político que não parece político apesar de ser muito político. E, o melhor de tudo, sabe cumprir ordens muito melhor, por exemplo, do que Dilma Rousseff.
    Vai dar certo? Difícil acreditar que Haddad será presidente. Mas o retrospecto mostra que menosprezá-lo será o principal erro de todos os adversários.

    Metodologia*

    A pesquisa foi realizada pelo Ipespe, de 23 a 25 de julho de 2018. Foram ouvidos mil entrevistados pelo telefone. A margem de erro é de 3.2 pontos percentuais e tem um nível estimado de 95,45 % de confiança. O número de registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é BR-07756/2018.



    Fonte: GAZETA DO POVO

    Nenhum comentário

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad