Ecoa apresenta o 4 femininos no Brasil

Nesta última semana de março, a ECOA Sobral apresenta o “4 Femininos no Brasil”, integrando a programação dos projetos “Teatro da Terça” e “...

Nesta última semana de março, a ECOA Sobral apresenta o “4 Femininos no Brasil”, integrando a programação dos projetos “Teatro da Terça” e “Quinta que Dança”, com obras artísticas concebidas, dirigidas e interpretadas por mulheres que são referência na dança no país.

O projeto "4 Femininos no Brasil" abre passagem para o diálogo em torno do feminino, trazendo 4 artistas de diferentes lugares do Brasil para falar de suas lutas, trajetórias e o empoderamento com o corpo através da dança e do teatro, questionando padrões corporais e culturais pré-estabelecidos como únicos e certos. 

O “Teatro da Terça” (27/03), recebe Rafaela Lima (CE) com "Fruta Cor", uma dança-manifesto que questiona a objetificação do corpo feminino, apresenta-o como fruto do pecado, comestível, possível de ser invadido por olhos misóginos; e Maria Eugênia Almeida (SP-PE) com o espetáculo "Planta do pé", fazendo um questionamento sobre o posicionamento periférico que as danças tradicionais têm hoje no Brasil. Ressaltando as danças nordestinas e a relação das pessoas que dançam com essa arte. O trabalho apresenta “pluralidade gestual, recursos de agilidade e peso, tudo ressignificado em novos movimentos no meu corpo”, afirma Maria Eugenia.


O “Quinta que Dança” (29/03) apresenta Wilemara Barros (CE), que começou a dançar em uma época regida pelo modelo europeu como estética a ser seguida. Desacreditada por seu primeiro professor quando criança, seguiu transformando-se ao longo de quatro décadas em uma mestra da técnica clássica e no cenário da dança. Em "MULATA", a bailarina apresenta a delicadeza das percepções menos visíveis; e Jussara Belchior (SC), em "Peso Bruto", discute o estranhamento e preconceito que vive por ser uma bailarina gorda. Os espetáculos trazem narrativas femininas necessárias à reflexão. 


O FEMININO EMERGENTE: quatro movimentos de ser e estar na arte

Texto exclusivo de Ângela Linhares

Fazer arte é estranhar o que parece óbvio e nunca foi. E vem como por uma estrela caída. Assim o feminino se diz na arte: anda por caminhos sinuosos, doces, mas veementes e inconclusos. Feito um animal faminto, o feminino caminha pela arte como seu lugar próprio de dizer-se. Por isso: é que ele é fecundo como a eterna novidade das coisas. E faz estranhar o que secular e repetidamente se impôs como domínio sobre a mulher. Ao mesmo tempo, além de desvelar opressões, quando diz do feminino, a arte antecipa futuros, trazendo os encantamentos do ser e estar com os outros no diverso.

Que a vida tem esse acorde múltiplo e vários que também é deslumbre.  Ora, a arte pega no ar o vir-a-ser do feminino – e daí mostra também o que as coisas do mundo poderiam ser e (ainda) não são. 

Nessa pesca, já se está reinventando o que se tem como real hoje. Com isso, o futuro habita o instante. Pois é. Mágica? Arte. Os novos lugares da formosura; os achados e perdidos da arte popular; a estética do que se dera por esquecido e agora se veste no novo, pondo em suas dobras o que a vida oferta como sentido emergente... Nesse esconde-aparece do signo da arte, o dizer se torna exercícios de ver e estar no mundo.

Mas o surpresivo na arte, quando diz do feminino, fica com quem a recolhe e a desfruta. É que se nutre no generoso colo da criação do novo, mãe das águas velhas e novas que viajam na Terra; e das promessas de felicidade (promesse de bonheur, como dizia Benjamin), que o diálogo entre gerações traz de lambuja. Olha!

Blog de Sobral

Related

cultura 6240146883688326535

Postar um comentário

Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

emo-but-icon

Siga-nos

últimas

Comentários

TEMPO

Acorda Brasil

Uma Nação consciente ,
É o maior medo de um Governo mal intencionado.

Connect Us

item