Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Assessor próximo a Marina defende que PT 'põe em risco a democracia'

    Um dos assessores mais próximos de Marina Silva (PSB), candidata derrotada à Presidência da República, o jornalista e poeta acreano Antonio Alves, 57 anos, considera como argumento mais forte, para evitar a neutralidade da ex-ministra e ex-senadora no segundo turno, o “quase consenso de que o PT passou da conta e está colocando em risco o ambiente democrático, com o aparelhamento do Estado”.

    Como exemplo, o assessor de Marina diz que o “PT mudou a composição do Supremo Tribunal Federal para rever processo julgado um ano antes e minimizar as penas que já tinham sido dadas aos réus do mensalão”.

    “Isso é inaceitável. Cria-se, então, uma forte tendência de votar no Aécio, mesmo sabendo que ele é a outra face da mesma moeda, para que haja, pelo menos, uma alternância no poder. Mas essa posição, que é aceitável no presente, traz um risco para o futuro que é a Marina e a Rede não se distinguirem mais, de forma clara, da polarização PT-PSDB. A Rede é uma semente que não pode se perder”, afirma.

    Fundador do PT e ex-militante da organização trotskista Liberdade e Luta (Lubelu), Toinho Alves, como é mais conhecido, atua desde meados dos 1980 com Marina Silva. Estava com a ex-seringueira quando foi eleita senadora pela primeira vez no Acre, em 1994, e há três meses está em São Paulo por causa da campanha presidencial.

    Misto de amigo e guru, é considerado da extrema confiança da ex-senadora, elabora parte do ideário "marinista" e até seus discursos. Ele admite que Marina vive um “dilema sem saída, no qual não existe posição confortável”. “Eu gostaria de que ela tivesse a liberdade de dizer “pessoal, tchau, vou embora pra casa”. Já imaginou? Quando perguntassem em que iria votar, bastava dizer que o voto é secreto e que ela tem o direito de votar em quem quiser”.

    O amigo e conselheiro político não tem a “mínima ideia” do que Marina vai decidir. “A Marina costuma tirar posições inusitadas nas situações mais difíceis. Acho que ela vai tentar, ao máximo, preservar a coligação e o futuro da Rede e do PSB. Vai se expressar dentro desse coletivo. E se a posição majoritária for de apoio ao Aécio, a forma desse apoio dependerá também dele e da campanha que ele fizer”.

    Para Alves, o tempo da política simples ficou pra trás com "esquerda e direita, democracia e ditadura". "A polarização PT-PSDB é a continuidade desse simplismo, que está chegando ao fim. Agora tem outras forças, outros polos, uma complexidade maior. É por isso que tanta gente vive no passado. No século 21, só entra quem for inteligente".

    Terra

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad