Grupo de turistas que sofreu acidente com catamarã em Maragogi não usava colete salva-vidas, diz filho de vítima

Fonte: G1/Ce

O grupo de turistas do Ceará que estava no catamarã que naufragou em Maragogi, em Alagoas, deixando duas idosas mortas, não estava com coletes salva-vidas. De acordo com o empresário, Tarcísio Gomes da Silva, que estava no passeio, não foi disponibilizado o equipamento de segurança para nenhum integrante da empresa Maragales, responsável pela embarcação Tô A Toa. Tarcísio é filho de uma das vítimas, Lucimar Gomes da Silva, 69. A outra vítima foi identificada como Maria de Fátima Façanha da Silva, 65.

Na tarde deste sábado (27), o catamarã naufragou no mar de Maragogi, no Litoral Norte de Alagoas, após colidir contra uma pedra, em uma área conhecida como "Buraco", segundo informou o Corpo de Bombeiros. O G1 tenta contato com os responsáveis pela empresa Maragales, cujo nome do catamarã envolvido no acidente é Tô A Toa.

"Foi tudo muito rápido. Estava todo mundo feliz. De repente, começou a entrar água no barco. Até agora estou me perguntando como isso aconteceu", contou Tarcísio, que é proprietário da empresa Simbora Vip Tour, responsável pela viagem do grupo de turistas que saíram do Eusébio, na Grande Fortaleza, para Maragogi, e filho de Lucimar Gomes da Silva, 69 anos, morta no acidente.

Em nota, a Marinha informou que vai investigar o caso e que um inquérito será aberto para apurar as causas, circunstâncias e responsabilidades do acidente. A Prefeitura de Maragogi e a Associação dos Proprietários de Catamarãs de Maragogi (ACPM) informaram que o proprietário do catamarã não tinha autorização para transportar passageiros, e que já havia sido autuado por realizar passeios clandestinos.

"Poderia ter sido muito pior, uma tragédia maior. Tinham seis crianças, 4 pessoas que não sabiam nadar. Foi Deus", disse emocionado. Tarcísio relatou que, durante o acidente, as atenções foram para as crianças. "Quando o socorro chegou, colocamos os coletes. Quando contamos, vimos que minha mãe e dona Fátima não estavam. Elas morreram afogadas"

O empresário disse que não sabia que a empresa Maragales estaria irregular, como informado, em notas, pela Prefeitura de Maragogi e pela Associação dos Proprietários de Catamarãs de Maragogi (APCM). "Não sabia. Eles tinham site e tudo. Fizemos um outro passeio com eles em outubro", rebate.

O empresário disse que não sabia que a empresa Maragales estaria irregular, como informado, em notas, pela Prefeitura de Maragogi e pela Associação dos Proprietários de Catamarãs de Maragogi (APCM). "Não sabia. Eles tinham site e tudo. Fizemos um outro passeio com eles em outubro", rebate.

A Prefeitura de Maragogi disponibilizou um veículo para a família se deslocar entre Maragogi e Porto de Galinhas, onde a excursão estava hospedada. Os corpos de Maria de Fátima Façanha da Silva e Lucimar Gomes da Silva foram levados para o IML de Maceió.


Fonte:G1/Ce
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

Procurar no Ceará em rede

Destaque

Agente de endemias vítima de assalto faz apelo a assaltante

"Por favor! Devolva o meu cartão de memória, nele contem fotos de meus filhos, pago 200 reais". Falou Carlos no programa Jornal a ...

Arquivo do blog