Caso Miguel: 'Ainda não consegui para viver o luto do meu filho', diz mãe de criança que caiu de prédio no Recife

Fonte: G1

“Esses dias sem Miguel estão sendo bem difíceis. Eu ainda não consegui parar para viver o luto do meu filho”. A declaração é da empregada Mirtes Renata Santana, que perdeu o filho Miguel Otávio, de 5 anos, depois que a criança caiu, no dia 2 de junho, do 9º andar do condomínio de luxo em que ela trabalhava, no Centro do Recife.

Veja como foi a morte do menino que caiu de prédio no Recife
Caso Miguel Otávio: confira quem é quem no caso

A criança estava sob os cuidados da primeira-dama de Tamandaré e ex-patroa de Mirtes, Sari Corte Real, quando caiu de uma altura de 35 metros, segundo a perícia. Em meio a investigações, documentos e protocolos judiciais, Mirtes relatou que espera se sentir aliviada após o desfecho do caso.

"Durante o dia é um pouco tranquilo, só que à noite é o horário que mais dói. Não tem mais ele pedindo ‘gagau’, que era de lei todos os dias. Me dói muito olhar para a cama dele e ele não estar ali. Só espero que tudo isso se resolva o mais rápido possível e que eu possa parar um pouco para viver o luto do meu filho”, disse.

“Não sei como é que vai ser minha vida sem meu ‘neguinho’. Todos os meus planos, todos os meus sonhos morreram junto com ele. Quando Miguel morreu, a minha vida acabou ali, foi destruída. Não só a do meu filho, mas a minha e a da minha mãe também”, afirmou Mirtes.

A rotina sem o filho provoca saudade a cada lembrança. "Eu precisei ir na lotérica pagar as contas de casa e vinha subindo [a ladeira] e lembrando de Miguel, quando subia essa ladeira comigo. Sempre batia no portão de alumínio de um vizinho que mora lá embaixo. E o nosso vizinho dizia 'vou lhe pegar' e ele dizia 'pega nada'”, relatou, emocionada.

“Acordar sem ter o neguinho, olhar para dentro de casa e não ter ele... Não tá dando, não. Não tá dando, não”, contou a mãe de Miguel.

Segundo Mirtes, o filho tinha o sonho de andar de barco. “Meu filho foi embora e não realizou o sonho dele de andar de barquinho. Das poucas vezes que ele foi no apartamento, ele via os pescadores e me dizia ‘mamãe, eu quero andar de barquinho’”, relatou.

“Tanta coisa que eu planejei pra o futuro do meu filho, o meu, da minha mãe.... E tudo isso acabou naquele dia. Sari acabou com a vida do meu filho e com a minha”, disse.

Um vídeo divulgado no dia seguinte à queda da criança revelou como o menino chegou até o 9º andar do edifício. Miguel entrou no elevador de serviço, e a patroa da mãe aperta o botão que leva à cobertura. Sozinho, ele apertou vários botões. Parou primeiro no sétimo andar, mas não desceu. Subiu mais dois andares, saiu e abriu uma porta. Apenas um minuto depois, ele caiu no térreo (veja vídeo acima).

As câmeras de segurança também registraram que, antes de subir sozinho, Miguel entrou outras quatro vezes nos elevadores e foi convencido por Sari a sair.

Sari foi autuada em flagrante por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, e pagou fiança de R$ 20 mil para responder ao processo em liberdade. Em nota, o advogado afirmou que a ex-patroa de Mirtes aguarda a intimação para depor e que ela está profundamente abalada e que é solidária ao sentimento da família.

Investigações

Na sexta (12), a Polícia Civil ouviu depoimentos de Tomaz Silva, gerente de operações do Pier Maurício de Nassau, edifício onde ocorreu o acidente; e de Eliane Lopes, manicure que estava no apartamento de Sari no momento em que Miguel caiu.

O ex-síndico do prédio e o porteiro foram ouvidos na quarta-feira (10). Na ocasião, o ex-síndico Carlos Lopes relatou que o prédio seguia todas as normas de segurança.

Na segunda-feira (8), os peritos voltaram ao prédio e foram categóricos: “Foi acidental”, disse o perito criminal André Amaral, do Instituto de Criminalística de Pernambuco. A Polícia Civil informou que deve se pronunciar sobre o caso ao final das investigações. O inquérito tem duração de 30 dias, podendo ser prorrogado pelo mesmo período.



Fonte: G1
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

Procurar no Ceará em rede

Destaque

Agente de endemias vítima de assalto faz apelo a assaltante

"Por favor! Devolva o meu cartão de memória, nele contem fotos de meus filhos, pago 200 reais". Falou Carlos no programa Jornal a ...

Arquivo do blog