UFMG planeja comissão para estudar prejuízos com incêndio no Museu de História Natural

Fonte: G1

A Universidade Federal de Minas Gerais deve montar uma comissão de professores e especialistas para avaliar os prejuízos após um prédio pegar fogo na manhã desta segunda-feira (15) no Museu de História Natural e Jardim Botânico, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ninguém se feriu. O incêndio começou por volta das 6h30 e destruiu a edificação. O tradicional Presépio do Pipiripau não foi atingido.

O incêndio foi debelado rapidamente, mas o trabalho de rescaldo precisou ser lento para preservar o acervo, formado por mais de 260 mil itens, entre peças e coleção científica de plantas e reserva vegetal.

"A gente não tem muita informação sobre o alcance e as perdas que o incêndio vão ocasionar. O momento é aguardar a ação dos bombeiros. O que foi afetado é uma parte do prédio central da administração, principalmente três salas da reserva técnica onde ficam as coleções que não estão em exposição, afetou uma parte muito importante do museu mas a gente só vai ter a dimensão depois que a perícia acontecer",

explicou a professora Mariana Lacerda, diretora do museu.

A UFMG informou que deve ser criada uma comissão de professores e especialistas para avaliar prejuízos.

"Segundo o segurança no turno das cinco horas da manhã, ele fez uma ronda e não havia incêndio. Às 5h30, os barulhos do vidro de uma das janelas estourando ele percebeu que o incêndio tinha dado início", comentou o tenente Lobo, do Corpo de Bombeiros.

Ainda de acordo com o militar, a chamada foi recebida pelos bombeiros por volta das 6 horas da manha. O combate às chamadas durou em torno de 30 minutos. Depois que o incêndio foi controlado, começou outro desafio: preservar parte do acervo atingido pelo fogo.

O rescaldo é demorado devido às substâncias e ao material, na tentativa de se preservar o acervo do museu, informou o bombeiro.

História e natureza convivem nos 600 mil metros quadrados do museu da UFMG. A vegetação de mata Atlântica divide espaço com especies exóticas e mais de 265 mil itens de diversas áreas do conhecimento.

São as coleções da paleontologia, arqueologia e parte da biologia também, algum acervo ligado a zoologia. A gente vai saber qual foi o alcance depois que a perícia for feita. A área atingida pelo fogo vai ser periciada pela a Policia Federal. Peritos e investigadores vão apurar as causas do incêndio.

Presépio do Pipiripau

Em meio à tristeza, um alento: o Presépio do Pipiripau, um dos acervos mais famosos do museu, não foi atingido pelo fogo - o prédio que foi afetado fica distante.

"Agora é hora de arregaçar as mangas, fazer o que precisa ser feito, entender a situação,todos os pesquisadores e cientistas estão envolvidos e comprometidos com uma etapa que vai ser de recuperar e entender qual foi o dano causado", ressaltou a diretora Mariana Lacerda.


Fonte: G1
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

Procurar no Ceará em rede

Destaque

Massapê: Mais uma loja de eletrodomésticos é assaltada no centro da cidade

Câmeras de segurança mostra momento da ação dos bandidos A uma semana de sua inauguração a loja Zenir Móveis, foi o alvo dos bandidos. Dois...

Arquivo do blog