Header Ads

Image and video hosting by TinyPic
  • Breaking News

    Onze jovens passam mal após vacina contra HPV; duas delas estão sem movimento das pernas

    Após receberem a segunda dose da vacina contra o HPV, entre os dias 3 (quarta) e 4 (quinta), 11 adolescentes foram levadas ao Hospital municipal de Bertilonga, em São Paulo, sentindo dores no corpo, na cabeça e no local onde a vacina foi aplicada. Na última sexta-feira (5) duas delas, as adolescentes Luana e Mariana, de 12 e 13 anos, apresentaram dificuldade de locomoção e tiveram que retornar ao hospital. A principal suspeita é de que elas tenham sofrido reação devido à vacina. Todas as pacientes afirmam que receberam a vacina na mesma unidade escolar.

    Segundo a empregada doméstica Rosália Alves Barros, mãe de Luana, a filha começou a passar mal cerca de uma hora depois de ter tomado a vacina no colégio. Ela, Mariana e as outras meninas que apresentaram os sintomas estudam na mesma escola. “A minha filha estava bem. Ela recebeu a vacina às 12 horas, e às 13 horas começou a passar mal na escola. Tremia e sentia uma dor de cabeça muito forte”, conta a mãe. No mesmo dia, Luana foi medicada e teve alta. No entanto, os sintomas persistiram no dia seguinte. “Eu estava no trabalho e me ligaram da escola, dizendo que a Luana estava passando mal de novo. Aí eu fiquei preocupada”, relata Rosália. Mais uma vez, a menina foi medicada e liberada, mas quando chegou em casa, passou mal pela terceira vez. “Ela estava deitada no sofá e, de repente, começou a tremedeira, a dor de cabeça e a tontura. E da cintura para baixo, ela paralisou”, diz a mãe.

    Com Mariana, a reação se deu de forma parecida. De acordo com a mãe da adolescente, a diarista Fabíola Freitas de Lima, a filha tomou a vacina no mesmo dia que Luana e também começou a passar mal em seguida. “Foi na saída da escola. Ela estava indo para casa acompanhada de uma colega, quando teve a tremedeira na rua e desmaiou. Uma viatura da ronda escolar passava na hora, e a outra menina pediu socorro. Aí trouxeram a Mariana para o hospital”, lembra a mãe. A menina também foi medicada e liberada no mesmo dia, mas voltou a passar mal. Na terceira vez que procurou o hospital, ficou internada. “A Mariana já teve reação quando tomou a primeira dose da vacina. Ela desmaiou e teve dor de cabeça, mas não sentiu nada nas pernas. Agora, ela não consegue andar”, descreve Fabíola.As meninas aguardam a realização de um exame que vai determinar o motivo dos sintomas. As mães garantem que elas estão calmas, mas quando cessa a aplicação da medicação, os sintomas reaparecem. “Com remédio, elas ficam bem. Até conseguem se locomover com dificuldade. Mas, quando o remédio acaba, voltam as tremedeiras, as dores e elas choram muito”, afirma Rosália.

    Em nota, a Prefeitura de Bertioga informou que as reações estão sendo investigadas e que a orientação da Secretaria Estadual da Saúde é não suspender a aplicação da vacina. A Secretaria de Comunicação do município informou que o lote da vacina aplicado em Bertioga é o mesmo que é utilizado em outras regiões. Segundo Ministério da Saúde, a vacina é segura e recomendada pela Organização Mundial da Saúde. Quase cinco milhões de meninas em todo o Brasil já foram imunizadas contra o vírus HPV, que é o causador do câncer de colo de útero, o terceiro que mais leva mulheres à óbito no País.

    Fonte: Aracatiaçu em Ação

    Um comentário:

    1. E a lista só vai crescendo... pobres garotas!!!

      ResponderExcluir

    Comente, opine com responsabilidade, violação dos termos não serão aceitos. Leia nossa Política de Privacidade.

    Post Top Ad

    Image and video hosting by TinyPic

    Post Bottom Ad